5.4.17

minha estética é a do fracasso

venho fazer um elogio a quem encontra saídas para suas dores, a quem honra seus compromissos, cumpre metas e horários, dança improvisos. a quem apesar de toda pedra no caminho, sabe contornar. venho fazer um elogio aos que conseguem rir ao invés de chorar, aos que dão certo na vida, aos que sabem o que querem ou que vieram fazer na vida, aos que vivem bem com suas tristezas e não choram ou caem por qualquer coisa. eu não. eu venho querendo desistir. desistir de ser tão forte. de ser tão correta. de ser exemplo de pessoa. de ser. eu venho querendo sair do mundo. eu tenho feito a besteira de perguntar qual é o sentido e sofrido com o vazio da resposta. é sem sentido que a maioria da população viva tão mal para sustentar o bem viver de 5%. é sem sentido pai e mãe morrer. é sem sentido pai e mãe perder filho pra polícia. é sem sentido o fascínio pelo poder. é sem sentido que até o que a gente come pode nos matar. tá me faltando motivo. motiv-ação. não tô querendo arrasar. eu estou arrasada. me tirem desses códigos em que se mede quem merece respeito e admiração, a quem se considera gênio, incrível, pronto. prontíssimo. eu venho querendo chorar sem hora pra acabar, eu venho querendo enfraquecer. eu  só quero despencar um pouco. d-existir um tempo. retomar o fôlego. me ausentar do sucesso. ser também fracasso. desandar. e tudo isso não dizer nada sobre quem eu sou.